24 de novembro de 2008

A lei Cidade Limpa e a desobediência civil dos bem-te vis.

Tem coisa que nos incomodam mais que espinha de peixe na garganta.

Não adianta tentar esquecer da danada, ela tá lá te espetando cada vez que você fala, engole, respira ou tenta cuspir.
Uma das coisas que não sai da minha garganta é a tal da “Lei Cidade Limpa” do prefeito Gilberto Kassab. Precisei pensar muito sobre o assunto, conversar com pessoas de vários matizes ideológicos, matutar como o caipira que fica de cócoras coçando a barbicha, para chegar a formar opinião sobre a tal espinha, ou lei.
Tem muita gente bem intencionada, cidadãos que sempre votaram em candidatos progressistas que se encantaram com a danada da lei e resolveram votar no “homem” por entender que havia sido um avanço para a cidade de São Paulo.
Eu me pergunto, pergunto aos meus amigos e pergunto a quem estiver lendo este desabafo:

Por que diabos o PT de São Paulo despolitizou o discurso de campanha de tal maneira, que em nenhum momento a candidata do PT Marta Suplicy, deu um chega-prá-lá nesse papo de que a coisa mais importante que foi feita pela cidade de São Paulo, nos últimos tempos, foi a tal da lei cidade limpa?
Já que estou perguntando aproveito, também, para fazer outras perguntas:
Por que a Marta não explicou para a população quais eram os objetivos da famosa taxa do lixo cobrada na sua gestão?Por que ela ficou se desculpando e prometendo, que nunca mais iria criar taxas?
Por que a campanha do PT no município de São Paulo ficou tão igual à de seu oponente que o cidadão não conseguia ver diferenças partidárias entre elas, não fosse pelos símbolos dos dois partidos?

Eu ainda não tenho todas as respostas, talvez alguém possa me explicar.
Tenho acompanhado as discussões acaloradas dos participantes das comunidades “Cidades Mobilizadas”, por sinal uma idéia genial que pode dar bons frutos, sobre a melhor forma de mobilizar a população para questões importantes de política e participação cidadã.

Pois bem, nessas discussões alguns entendem que a melhor maneira de mobilizar a população é trazendo à tona questões gerais de política nacional e internacional, outros entendem que é necessário fazer o contraponto à mídia hegemônica e comprometida com a eleição do candidato do PSDB às eleições de 2010 e há os que entendem que a melhor maneira de mobilizar a população é abordar questões que afetam diretamente o cotidiano do cidadão nas suas cidades.
Não sei, ainda, qual é a melhor estratégia de mobilização. Acho salutar essas discussões e penso que o caminho está em aberto ou, como disse o poeta espanhol Rafael Alberti: “Caminante, no hay camino se hace camino al andar”
Mas voltando à tal espinha de peixe na minha garganta.

Logo depois do resultado das eleições de São Paulo, uma das participantes da comunidade “São Paulo Mobilizada” postou indignada uma denúncia do que estava acontecendo em seu bairro.

A prefeitura de São Paulo fechou albergues para moradores de rua e as pessoas estavam perambulando pelas ruas sem nenhuma referência de onde iriam passar as noites frias e chuvosas da capital paulista.
Os viadutos da cidade também foram cercados para que essas pessoas não possam “acampar” embaixo deles enfeando a paisagem da cidade. Talvez a lógica do prefeito Kassab seja a lógica do mercado, se não houver oferta não haverá demanda, se não tiver lugar para esses indesajáveis eles irão embora para outros municípios, voltarão para seus estados e “desinfetarão” a cidade para que a “Lei cidade limpa” seja cumprida.
O prefeito é esperto, tem que garantir a eficácia dessa lei, pois foi a que o elegeu e engessou o discurso da candidata do PT a ponto de descaracterizá-la como a candidata da esquerda.
Para quem não sabe a Lei cidade limpa, tirou cartazes de propaganda das fachadas das lojas, dos muros, das marginas Pinheiros e Tietê, que por sinal eram uma referência para quem chegava à cidade, enfim deu uma maquiada na cidade que deixou todos encantados com a eficiente gestão do prefeito.
Eu sou mais cética em relação a essa eficiência pois: o trânsito só piora, as crianças continuam sem vagas nas creches, a saúde pública continua na UTI.

Como se não bastasse, hoje fazendo minha caminhada pela avenida mais movimentada de meu bairro, avistei anárquicos bem-te-vis que resolveram fazer ninhos em cima de postes e de caixas de alta tensão em avenidas recém maquiadas pelo prefeito.
Mas o prefeito e seus escudeiros já devem estar pensando em resolver esse problema que compromete a estética da cidade: vão mandar cercar com grades de ferro todos os postes e caixas de alta tensão da cidade para impedir o vandalismo dessas aves desobedientes.


Por: La Pasionária Ibarruri

3 comentários

Júlio Pegna

Às vezes fico pensando se não seria melhor morar no topo dos postes, numa cidade como São Paulo.
Melhor dividir espaço com bem-te-vis que com gente da laia do prefeito.
Imagina acordar ao lado de um beija-flor ... e o pesadelo que seria ver de perto um tipo como José Serra ... argh!!!!! cusp cusp, que nojo!

ana cristina nadruz

Bentevimos, Seu Kassab...

mgiampaolo

Avelina!
O artigo está ótimo!
Escrevi comentários acerca dele duas vezes. Mas meu PC está com problema.Estou numa lan house.
Continue lustrando este imenso São Paulo e em especial Sampa!
Os bem-te-vis estão certos!
Estão vivendo o presente, o possível!