31 de outubro de 2011

Perguntas ao senhor Moisés


Eu não queria entrar nesse debate, mas eu sou católico e vi que o senhor Moisés, no afã de de defender sua crença ou seu povo, o que é legítimo, comete alguns equívocos, como, por exemplo, ao dizer que “na história da humanidade o povo judeu é o único povo do mundo que jamais invadiu a terra de ninguém”. Mas e o massacre de Jericó, quem foi o responsável? Foi o povo árabe? Onde situava Jericó? É na Palestina. Portanto, houve sim uma invasão  sangrenta feita pelo povo judeu que persiste 4500 anos depois. Ou ele vai contestar a Bíblia? 

Noutra parte de sua réplica, o senhor Moisés cita a inquisição espanhola num frontal e desnecessário ataque à Igreja Católica. Quanto à inquisição tenho concordar com ele porque foi um absurdo. Mas seria interessante que ele ressaltasse que houve inquisição calvinista também e ela foi cruel. E é o ideário calvinista- imperialista que mata inocentes no Oriente Médio, com o beneplácito do estado de Israel. Se o senhor Moisés não sabe, houve no Japão uma inquisição xintoísta, que matou 20 mil cristãos japoneses, expulsou os jesuítas e muitos cidadãos que fugiram para Goa. Então inquisição, embora seja repugnante até pensar que existiu isso, não foi uma característica somente da Igreja Católica.

Oficialmente 14 milhões de pessoas morreram nos campos de concentração, dentre eles 6 milhões de judeus, mas e os outros 8 milhões? É fácil: 500 mil eram ciganos, algumas centenas de ateus e 7 milhões eram católicos. Se levarmos em consideração que os ciganos das etnias romi e kalderashi são católicos também, o número sobe para 7,5 milhões. Houve holocausto sim, mas só houve holocausto judeu? Claro que não. Então por que alguns judeus não se juntam às outras vítimas do horror nazista, em vez de tentar confrontá-los? Por que a comunidade judaica não prendeu Werner von Braun, um nazista assumido, e não o levou a Nuremberg, mas deixou que ele trabalhasse no programa nuclear norte-americano ainda durante a guerra e depois se tornasse diretor da Nasa?  

Eu gostaria que o debatedor usasse de sua flagrante inteligência para se colocar no lugar do papa Pio XII antes de fazer acusações. O que era o Vaticano no final do anos 30? Era um lugar desarmado cercado de facínoras pelos quatro cantos. São eles: Franco, Salazar, Hitler, o mundo islâmico abaixo e logo ali nos arredores Mussolini.  Como enfrentar o nazi-fascismo sem armas? Era impossível. A única coisa a fazer era negociar. E Pio XII o fez muito bem. E enquanto negociava escondia o político italiano De Gasperi, que após a guerra, ao lado do alemão konrad Adenauer, lançaram as bases da moderna Comunidade Européia. Além disso, Pio XII organizou os preparativos para o Concílio Vaticano II, iniciado por João XXIII, que é altamente respeitoso com o povo judeu e com todas as religiões.  Então chamar Pio XII de colaborador do holocausto não é desconhecimento da História, é má-fé.


Jerusalém! Jerusalém! Al-Quds-al-sharif (a nobre cidade santa) fundada pelos Cananeus, um povo semita pré-judaico. Até quando, Terra Sagrada, serás motivo de discórdia? Até quando, Cidade Abençoada, terás em seu subterrâneo o inferno que Dante cantou? 

1 comentário

Eugenio Hansen, OFS

Paz e bem!

Erasmo escreveu:
"Pio XII organizou os preparativos para o Concílio Vaticano II, iniciado por João XXIII"

Esta é uma afirmativa
um tanto que forçada.
A grande maioria dos relatos
(pra não dizer todos)
é de que a Cúria Romana
foi pega de surpresa
com o anúncio de João XXIII
de que iria chamar um Concílio.
Para Ottaviani e outros Cardeais
o Vaticano II
jamais teria sido convocado.

Dependendo a análise
até pode-se dizer
que o Papa Pio XII,
tomou decisões
acabaram por levar
à Convocação do Concílio;
mas é dificil dizer
que estas decisões
conscientemente objetivavam
preparar o Concílio.

Para registro:
Também sou católico.