22 de maio de 2009

Dilma já venceu uma e vencerá outra/ Já venceu!






Parabéns presidenta Dilma Rousseff.

Você é uma vitoriosa na vida particular e na política.
Reeditei este post., pois foi um dos mais sinceros e emocionados que escrevi.
Pela minha experiência pessoal, de ter enfrentado um câncer e uma quimioterapia. Pela minha inconformidade com os ataques baixos que a sra. sofreu durante a campanha.
A vitória de Dilma Rousseff é a vitória de todos os brasileiros e brasileiras que se envolveram e torceram por ela e pela continuidade do governo Lula.
Para mim é, também, simbolicamente, a vitória da vida sobre o câncer.
Quando postei este texto já a considerava uma vitoriosa duas vezes, ao sobreviver à prisão e à tortura durante a ditadura militar, agora podemos festejar a vitória de Dilma sobre as forças mais retrógradas deste país.
Somos todos e todas, junto com nossa presidenta, vitoriosos.





Uma sessão de tortura é algo que rebaixa o ser humano à condição de quase nada. Retira suas forças, sua dignidade humana, seu amor próprio, sua auto-estima, seu pudor etc. Não fui torturada, ao menos por motivos políticos durante a ditadura, mas fiquei imaginando o estado em que ficava um ser humano depois de uma, duas, várias sessões de tortura e continuava vivo, por sorte ou por azar.


Visitando o Memorial da Resistência no antigo prédio do DOPS, uma das celas restauradas com a ajuda da memória de alguns presos políticos, me deixou absolutamente horrorizada pelo realismo, ao recriar o clima de terror vivido naquela cela.
Naquele ambiente lúgubre, inseguro, escondido dos olhos da sociedade, longe dos seres que os amavam, as coisas aconteciam à revelia dos de que estavam fora e com a solidariedade silenciosa e impotente dos que estavam dentro.
Num dos depoimentos que ouvi, o depoente falava dos odores: odor de sangue dos companheiros que voltavam da tortura de corpos feridos e suados pelo medo, odor de morte, por isso tinham verdadeira obsessão com a limpeza das celas, para não perder o mínimo de dignidade humana e para afastar de suas mentes os odores que traziam medo.

Uma sessão de quimioterapia é, emocionalmente, bastante semelhante à uma sessão de tortura, claro que cada caso é um caso, mas vou relatar e fazer a comparação a partir do meu ponto vista.
Na primeira sessão que fiz, fui com medo mas sem muita noção do que eu iria enfrentar, por isso sem muita preocupação.
A sala onde as pessoas recebem a quimioterapia é impessoal, muito fria, asséptica e com um odor bem característico. Cada paciente fica imóvel e impotente, vendo aquele líquido gotejar lentamente em suas veias, sabendo que corre alguns riscos. Por exemplo, risco de estourar a veia e causar uma queimadura pelo medicamento, de ter um choque anafilático ou uma reação alérgica e, aguardando os efeitos colaterais que provavelmente virão dois ou três dias depois da aplicação.
Na segunda sessão o medo já é maior, alguns efeitos já são conhecidos, náuseas, queda de cabelos, secura na boca e em todas as mucosas do corpo, insônia, dores na cabeça e nas juntas do corpo todo. O odor que sentia na sala de aplicação do medicamento, saia por todos os meus poros depois da aplicação, imaginava que esse deveria ser o cheiro da morte e como os presos políticos faziam nas suas celas, eu fazia no meu corpo: tomava dois, três banhos por dia e me lambuzava de cremes hidratantes perfumados, tentando retirar de mim o cheiro da “morte”.

Assim como nas celas da ditadura, nas salas de quimioterapia também há muita solidariedade. Companheiros que estavam ao meu lado torciam por mim, assim como eu torcia por todos eles, ficávamos observando a reação de cada um, cuidando de cada um e sendo cuidado por todos.
A cada 21 dias, que é o ciclo de cada aplicação, ao chegar para mais uma sessão, logo perguntava às enfermeiras pelos companheiros que não estavam presentes, temerosa de que o pior houvesse ocorrido.
Nos depoimentos gravados no Memorial da Resistência, Alípio Freire relata que quando algum companheiro era solto, todos cantavam a música de Caymmi, “Minha jangada vai sair pro mar......”. Quando cada paciente estava chegando ao final do tratamento, feliz pela etapa cumprida, cantávamos, “ai, ai ai ai, tá chegando a hora....”.
Por isso, quando a Ministra Dilma Roussef deu uma entrevista nesta semana, ao sair do Hospital e “jornalistas” insistiram em perguntas pessoais e íntimas, levando a ministra a dizer que estava usando uma peruca, fiquei pensando se esses jornalistazinhos bundas sujas, conhecem a história recente deste país ou o passado de luta da Ministra.
Será que algum jornalista na época da ditadura, independentemente de suas posição política, teria coragem de pedir a um torturado que mostrasse as marcas em seu corpo?
O que está acontecendo com a humanidade das pessoas?
Será que o jogo político está acima da solidariedade humana?
Não vou fazer proselitismo político ou campanha para a candidata Dilma, pois se o fizesse me igualaria a esses abutres, vou apenas afirmar pela minha experiência pessoal:
Dilma Roussef:
Você vai tirar de letra esse tratamento e sairá vitoriosa, como já saiu no passado!

10 comentários

Lúcia Orpham

La Pasionaria,

Ótima analogia, brilhante! Dilma, assim como muitas pessoas de coragem como vc, vai dar a volta por cima e voltará com mais garra e disposição para dar a demonstração e exemplo de luta e perseverança que o povo brasileiro tanto admira!

Dilma será nossa Presidente em 2010!

Juliana Freitas

Olha, não vivi nenhuma das duas coisas, mas achei perfeita a analogia. Como acho terrível a exploração do sofrimento de quem quer que seja.
Boto fé que Dilma vai sair dessa, mais uma vez, vitoriosa, assim como tu, amiga!

Flávia

Bem, serei repetitiva: ótima analogia!!
Só quem passou por isso entende bem o que vc está dizendo.
Cada linha que li, senti um pouco das sensações que tive no tratamento e me lembrei de outras tantas desagradáveis que me fazia refém de algo que estava além das minhas vontades.
Enfim, ela vai tirar esse tratamento de letra - assim como nós! - e mostrar pro Brasil a mulher forte que ela é. Será diferente de Sansão: sem cabelos, ganhará mais força e a presidência do Brasil!!

Nanamada

Analogia perfeita e depoimento emocionante.
Colocar os interesses politicos em detrimento ao sofrimento humano, a insensibilidade da midia só vai contribuir para que ela, experiente que é,usar toda essa terra que estao jogando em cima de sua vida particular e de sua candidatura como degrau pra transpor mais esse obstaculo e subir rumo a cura de sua doença e ao palacio do planalto!
Parabens Pasio, pelas palavras cheia de clareza ,sabedoria e experiencia .Parabens a vc e a Flavia e por serem vencedoras!

Meg Barros

Dilma será a primeira mulher a presidir o País, e com certeza a mulher mais respeitada também.
Que a oposição me perdoe, mas são todos abutres.
Gostei muito do blog, vou me "filiar", haha.
Parabéns pelo belo texto.

Helen Lima

La Pasionária,

Seu texto transmite sentimento e muita verdade. É uma perfeita narração. O leitor consegue entrar na cela de tortura ou na sala de quimioterapia sentindo o medo e os odores que ambas transmitem. Consegue o leitor, também, sentir a força e a solidariedade dos que ali estão. Esse texto deveria ser espalhado pela internet, nos blogs, por e-mails e publicados como lição aos abutres que vêm tratando de forma tão desumana a doença da mulher Dilma Roussef, e se me permite, vou reproduzí-lo com seus devidos créditos. Parabéns pelo texto, parabéns pela luta e por sua vitória. Conhecê-la virtualmente e depois, pessoalmente, foi uma das belas coisas que me aconteceram. Um beijo no coração e força Ministra Dilma!

La Pasionaria Ibarrure

Querida Helen, suas palavras me enchem de emoção e alegria.
Obrigada, e fique à vontade para reproduzir o texto como quiser.
Foi um desabafo, sem muita preocupação estética ou ideológica.
Não podemos permitir que nada nos brutalize a ponto de perder a solidariedade humana.

jose ruy r correa

O dom da vida só é revelado para os que lutam e quem na pele tem o sinal de vencedora.
Dilma e Passio, grandes lutadoras.

Gabriel

Brilhante e comovente este artigo de Pasionaria. ¡Adelante Pasió!
Esmorecer jamais.
Besos Lurdinha.

Gabriel

A falta de solidariedade, e o desaparecimento do critério ético da imprensa do nosso país é uma triste e presente realidade, cabe a nós através destas novas ferramentas demonstrar que ainda existem valores e respeito no debate político, independentemente da ideologia.
Obrigado pela poesia, criterio e emoçao pasionaria.
Fuerza, porque la lucha siempre continua, en diferentes frentes.
Tu más fiel seguidor
G. Santiago Carrillo